segunda-feira, 1 de julho de 2013

Esse é o meu, não é o seu, é o dele

Como prometi, vou falar aqui rapidinho sobre a organização do São João de Caruaru deste ano. Para não receber nenhum tipo de processo (sou medroso sim, e daí?) não vou dar nomes aos bois nem aos veados, galos ou qualquer outro tipo de animal. Vou apenas chamar de "organização", "imprensa", "público" e "riquinhos" as partes envolvidas.

Este foi o primeiro ano do São João organizado pela organização - eu sei que a construção ficou feia, mas vai assim mesmo - e não vai deixar um pingo de saudade. O que se viu foi um verdadeiro culto à imagem, cobertura tosca feita por uma TV improvisada, total desrespeito com a imprensa local, falta de consideração com os artistas da terra, e para piorar, o início da privatização de uma festa que nasceu do povo para o povo.

Vamos detalhar cada bronca, uma a uma. Pra começo de conversa, o que se fez com a imprensa foi, no mínimo, desumano. Primeiro inventaram um rígido credenciamento com antecedência, para o qual todos se lascaram mas fizeram. Os veículos precisaram relacionar desde repórteres até auxiliares de serviços gerais! Pense num trabalho danado pegar a documentação e foto desse povo todo. Aff... No dia da abertura, os crachás foram distribuídos e pairava no ar o cheiro de organização. Tava até bonito, mas...


O credenciamento não valeu de nada. Tinha crachá para backstage, para frontstage, para camarote, de livre acesso, da putaquipariu, mas nenhum servia. Podia jogar o crachá fora. Um CD de Walter de Afogados vale mais que essa coisa. Até eu fui barrado! Tinha crachá de front e backstage e mesmo assim não me deixaram entrar.

Os seguranças apáticos afirmavam que só poderiam liberar o acesso da imprensa QUE QUERIA TRABALHAR PARA DIVULGAR E LEVANTAR AINDA MAIS O EVENTO mediante o uso de uma pulseirinha. Mudou tudo, ok. Mas onde encontrar essa bendita pulseira? Ela existe?

Responde aí, Padre Quevedo!


Era complicado ter acesso. O frontstage, destinado à imprensa para trabalho, foi loteado e para ter acesso ao local privilegiado na beirinha do palco (o popular cheira-cunhão) era preciso pagar valores que chegavam a R$ 200 por pulseira e até - caiam da cadeira - 500 mangos para ter uma mesa com direito a garçom para quatro pessoas. Era normal ver os "riquinhos" enchendo a cara de uísque, pedindo autógrafos, cantando, dançando e tirando fotos em um local que estava destinado à imprensa. Rolou até caso de pulseiras falsificadas e seguranças retirando pessoas do local.

No show de Jorge e Mateus a imprensa levou um chá de cadeira fenomenal enquanto os fãs "amiguinhos da organização" ficavam tietando. Repórteres eram empurrados pelos seguranças que, aos berros, tratavam os profissionais como bichos.

Protesto de jornalistas e radialistas de Caruaru repercutiu nas redes sociais

A denúncia da venda das pulseiras foi feita pelo vereador caruaruense Jajá, em entrevista a uma rádio local. Veeeeeja Ouuuuuuça aqui, clicando onde está sublinhado e pintadinho de cinza.

A bronca foi grande. O local para a imprensa virou boate. E quem precisava trabalhar, era expulso. Está aqui o depoimento de Kylton Bezerra, cinegrafista da Globo do Interior TV Asa Branca, retirado do Facebook do próprio:

"Hoje vi! o quanto a IMPRENSA DE CARUARU é destratada neste São João.
Por 4 vezes fui Expulso do FRONTSTAGE para dar lugar á pessoas que não estavão trabalhando. E sim bebendo e curtindo o Show de Jorge & Mateus. Em dez anos de profissão nunca fui tão humilhado. Agradeço a Nanda Salles, Jorge, Carol Miranda. Que com a ajuda deles pude fazer meu trabalho."


Por falar em humilhação, o que fizeram com os artistas e (por extensão) com o público foi inacreditável. As atrações mudavam de datas e de ordem na apresentação num piscar de olhos. O cantor Novinho da Paraíba foi um dos mais revoltados. Teve o áudio cortado com meia hora de show e a organização do evento afirma que ele chegou atrasado e estava entrando no horário da outra atração. Erros dos dois lados. Nem o arraial mais mequetrefe de Olinda faria isso.

video

Filho de Caruaru, o cantor Azulão também ficou bem triste com o tratamento recebido pela organização. Escalado para cantar no dia da dupla Jorge e Mateus, foi sendo escanteado e só subiu no palco no meio da madrugada, para um público irrisório. Bichinho do Azulão! Ele não merece. Na mesma noite, a banda Brasas do Forró não se apresentou porque chegou muito tarde e a festa tem limite de horário por medida judicial.

Bichinho do Azulão...

Ok, vamos falar agora da ~cobertura~ feita pela emissora contratada (ou agregada, ou ajuntada, sei lá) pela organização. A transmissão pode ser assistida em casa ou no pátio mesmo, nos intervalos dos shows. Vergonha alheia é pouco para definir o que vimos. Apresentadores despreparados, falhas constantes no áudio, repórteres sem o menor bom senso e um "âncora" que ficava no backstage dando pinta de eNgrAsSaDo e amigos de todos, tão íntimo que em uma das suas tiradas mandou uma entrevistada tomar cuidado com a "catota" ECAAAAA! Isso mesmo. Pense no nível!

O São João de Caruaru serviu apenas para levantar a moral do referido âncora e responsável pela organização que, para tristeza do povo pernambucano, tem contrato com a Prefeitura de Caruaru por mais quatro anos. Do lado de lá, a organização se defende afirmando que o Sâo João teve recorde de público, que o comércio nunca faturou tanto, que todo mundo ficou feliz, blá, blá, blá, uíscas sachê...

Mas o comércio não faturou, o público gigante não ficou feliz e a imprensa foi jogada na sarjeta. Até o tradicional camarote destinado aos profissionais da comunicação foi extinto este ano, cedendo o minúsculo espaço para que três rádios pudessem realizar a transmissão sem a menor condição e na base da cotovelada.

Não sou contra a empresa que organizou a festa. Se conseguiu a conta da Prefeitura para captar e tocar o evento, é porque tem seus méritos. É verdade que a festa está quase se pagando, parabéns. Mas sou contra a desorganização do evento e temo pelo pior: que o São João de Caruaru, o maior e melhor do mundo, seja transformado em um baile de debutante para ele, só dele, focada nele ou em quem pagar ingresso para ele.

A Prefeitura tem que tomar muito cuidado. O São João é um dos maiores patrimônios de Caruaru, ao lado da feira, do Alto do Moura e do puteiro Tati Drink's. Não pode ser colocado nas mãos erradas. Ah, por falar em mãos, bêjo, Tati! Você sabe o que fazer com elas ;)

12 comentários:

  1. Vamos dar nome aos bois: Antonio Bernardi. Esse sujeito deve saber os podres de muita gente, pois só isso explica a influência desse cidadão que nunca fez nada que preste no meio artístico.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fui em caruaru no dia 15 de junho, era show da banda Garota Safada. Estava lotado e fecharam o portão de entrada. Quem queria sair não conseguia e quem queria entrar, tbm ñ. Os policiais despreparados eram empurrados por uma multidão enfurecida, houve um tumulto grande.
      "o início da privatização de uma festa que nasceu do povo para o povo." Camarote em caruaru é a coisa mais sem lógica que já existiu. Esse moço (a), sei lá o que é... É um espertinho e sabidinho, sabe fazer dinheiro viu? E o povo ainda cai na conversa dele. Temo pelos próximos anos, a classe artística local será banida pelo grande organizador do meu, do seu, do nosso...

      Excluir
  2. Uma vergonha como foi tratada a imprensa. Camarote pra a cobertura, pra quê? Ficaram 3 rádios em um camarote + convidados, disputado quem assistiria melhor um show à distância.
    Esse Antônio Bernadi tá sabendo na nossa cara, com nosso dinheiro e nosso patrimônio!

    ResponderExcluir
  3. Meu nome é Bruno, Parnamirim - RN.

    ResponderExcluir
  4. Não conheço Caruaru, nunca fui. Sou pernambucano e moro em Natal. Assisti a tudo pela TV Nova pela parabólica. Adoro o trabalho dessa TV. Mesmo sem grana, sem recurso, essa emissora faz um trabalho bonito com garra e vontade. Um dia quero conhecer as instalações. O Pessoal diz que fica em Olinda. Eu, ligava minha TV às 20h e desligava às 3 da manhã. Passava 7 horas assistindo. Isso a Globo não faz. Ora, eu não quero ver porra de filme, de jogo ou caralho de novela. Quero ver o São João da minha terra, Pernambuco! Assisti também ao São João do Nordeste da Globo (meia hora de programa). Uma merda! E aqui pra nós, teve falha pra caralho! Em 30 minutos! Adorei o São João de Caruaru. Eu me senti lá! Adorei a transmissão, que foge o modelo clássico da televisão. Gostei tanto que ano que vem estarei aí. Estagiário, sobre a imprensa local, relaxa. Certamente eles colocam pra fuder no prefeito. Foi o troco! Bem, estou cogitando. Política é foda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tu adorou a transmissão porque deve ser retardado.

      Excluir
    2. Esse texto foi feito por Moreira, um dos péssimos repórteres dessa tv de aluguel. Se a transmissão da Globo teve falha, imagine a Nova.

      Excluir
  5. Mas ô seu puto: Tu quer ver show de graça no frontstage? Vai trabalhar comédia! Esse Antonio Bernardi deve ter comido a tua bunda e depois te chutado né safadão?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O marido de Antonio Bernardi veio aqui defender a esposa.

      Excluir
  6. Vindo deste tal Organizador e seus amiguinhos,não era de se esperar que fizessem cagada mais uma vez,ele e mais alguns,fazem anos que privatizaram varias festas em recife e interior e nunca valorizaram ninguém,a não ser claro,aqueles que fazem parte da corja dele.

    ResponderExcluir
  7. Me poupe estagiário dessa vez você pegou pesado com o trabalho de uma equipe com mais de 60 profissionais para transmitir o nosso São João também nem irei me trocar pois acredito e tenho certeza que a Tv Nova tem mais audiência pode pegar dados do ibope do que seu seu blog que funciona bo blog

    ResponderExcluir
  8. Que funciona no blogspot

    ResponderExcluir